MATRIZ
PARÓQUIA NOSSA SENHORA DO GUADALUPE
Pároco:

Padre Wellington de Almeida Marcondes


Vigário Paroquial:

Padre Athanagildo Vaz Neto


Horários de Missa
  • Quarta-feira 16h Culto e Novena
  • Quarta-feira 19h MIssa e Novena
  • Sábado 18h
  • Domingo 8h, às 10h e às 18h
Especial
  • Sexta-feira Primeira sexta do mês às 19h Missa

Endereço
Rua Erveira 145
Ponta Grossa - Santa Paula


Contato
(42) 3228-7755
paroquia.guadalupe@hotmail.com
Facebook

Histórico

HISTÓRICO


No início de sua instalação, em 1979, o Núcleo Residencial Santa Paula, pertencia ao Território Eclesiástico da Paróquia Santa Rita de Cássia, no bairro da Ronda. A primeira Missa realizada no novo núcleo foi no dia 29 de julho de 1979, no “Barracão Verde”, antigo local usado como dormitório dos operários da construtora do núcleo.
No dia 13 de janeiro de 1980, foi designado para dar atendimento espiritual ao Núcleo Santa Paula, o Padre Jaime Vicente Batista, que tinha como objetivo a criação de uma infra-estrutura paroquial. A instalação definitiva da Paróquia aconteceu no dia 11 de maio de 1980, com a presença do Bispo Diocesano, Dom Geraldo Micheletto Pellanda.


Comunidade / Padroeiro (a)Localidade

01 Matriz: Nossa Senhora de Guadalupe - Santa Paula

02 Nossa Senhora Mãe, da Divina Graça - Dom Bosco

03  Nossa Senhora Aparecida - Loteamento Tibagi

04  Santo Antônio - Assentamento Ernesto Che Guevara

05  Mãe do Bom Conselho - Shangrilá


Diáconos Permanentes

1 – Diácono Celso de Moura Jorge;
2 – Diácono Isoil Correia;


Movimentos e Pastorais

Os movimentos e pastorais da Paróquia são as seguintes:
Ass. Legião de Maria
Encontro de Casais com Cristo- ECC
Mov. Apostolado da Oração
Mov. das Capelinhas
Mov. RCC
Mov. Dos Vicentinos
Ministros Extraordinários da Comunhão
Past. Catequética
Past. da Comunicação
Past. da Criança
Past. da Terceira Idade
Past. do Batismo
Past. do Canto
Past. do Dizimo
Past. dos Enfermos
Past. Econômica
Past. Familiar
Past. Litúrgica
Past. Vocacional dos Coroinhas
Vida Religiosa


Vigários Paroquiais:

Os Vigários Paroquiais que já passaram pela Paróquia foram os seguintes:

Padre Casemiro Oliszeski;

Padre Ademir da Guia Santos;

Padre Marcelo Melo;

Padre Clayton Delinski.


Párocos

Desde a sua criação, passaram 8 Párocos, sendo eles:


1° Padre Jaime Vicente Batista – Do dia 13 de janeiro de 1980 à 03 de maio de 1987;

2° Padre Matthias Jacobus Andreas Ham – Do dia 03 de maio de 1987 à 14 de julho de 1991;

3° Padre Glauco de Camargo Pinto – Do dia 14 de julho de 1991 à 19 de dezembro de 1996;

4° Padre Silvio Mocelin – Do dia 18 de janeiro de 1997 à 13 de dezembro de 1997;

5° Padre Moacir Gomes – Do dia 13 de dezembro de 1997 à 06 de dezembro de 1998;

6° Padre Antônio Ivan de Campos – Do dia 06 de dezembro de 1998 à 23 de abril de 2003;

- Do dia 23 de abril ao dia 23 de dezembro de 2003, Padre Glauco de Camargo Pinto foi nomeado como administrador paroquial e no dia 23 de dezembro de 2003, Padre Glauco foi nomeado Pároco da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe.

7° Padre Glauco de Camargo Pinto – Do dia 23 de dezembro de 2003 à 24 de janeiro de 2018;

8° Padre Wellington de Almeida Marcondes – Do dia 27 de janeiro de 2018 até a presente data.


Oração a Nossa Senhora de Guadalupe


Perfeita, sempre virgem Santa Maria, mãe do verdadeiro Deus, por quem se vive. Tu que na verdade és nossa mãe compassiva, te buscamos e te clamamos. Cura nossas penas, nossas misérias e dores. Tu que és nossa doce e amorosa mãe, acolhe-nos no aconchego de teu manto, no carinho de teus braços. Que nada nos aflija nem perturbe nosso coração. Mostra-nos e manifesta-nos a teu amado Filho, para que nele e com ele encontremos nossa salvação e a salvação do mundo. Santíssima Virgem Maria de Guadalupe, faz-nos mensageiros teus, mensageiros da Palavra e da vontade de Deus.

Amém.
O Padroeiro
O Padroeiro
NOSSA SENHORA DE GUADALUPE
Nossa Senhora de Guadalupe apareceu pela primeira vez ao índio asteca Juan Diego. Na língua asteca, o nome Guadalupe significa, Perfeitíssima Virgem que esmaga a deusa de pedra. Os Astecas adoravam a deusa Quetzalcoltl, uma monstruosa deusa, a quem eram oferecidas vidas humanas em holocausto.
Nossa Senhora de Guadalupe, porém, veio para acabar com essa idolatria e mudar a vida daquele povo sofrido. No ano de 1539, mais de 8 milhões de Astecas tinham abraçado a fé católica, convertendo-se e acabando com a idolatria pagã. No México e em todo o mundo, Nossa Senhora de Guadalupe é muito venerada.
A aparição de Nossa Senhora de Guadalupe
Estava o índio Juan Diego no campo. Ele sofria por causa da grava enfermidade de seu tio a quem muito amava. Juan rezava por seu tio quando teve a visão de uma mulher com seu manto todo reluzente. Ela o chamou por seu nome e disse em nauátle, a língua asteca: Juan Diego, não deixe o seu coração perturbado. Eu não estou aqui? Não temas esta enfermidade ou angústia. Eu não sou sua Mãe? Você não esta sob minha proteção?
A Senhora pediu, então, que o índio fosse revelar sua mensagem ao Bispo local. A mensagem de que Ela iria acabar com a serpente de pedra, e que o povo do México iria parar com os holocaustos e se converter a Jesus Cristo. Além disso, deveria ser construída uma Igreja no local das aparições.
O Milagre de Nossa Senhora de Guadalupe
O Bispo não acreditou no índio, mas ordenou que ele pedisse um sinal à Senhora para provar a veracidade da história. Quando Juan Diego voltou para o campo, Nossa Senhora de Guadalupe apareceu novamente a ele. Este lhe contou sobre a desconfiança do Bispo, porque Maria tinha pedido que fosse construída também uma grande igreja naquele local.
Maria sorrindo, pediu a Juan Diego que subisse ao monte e enchesse seu poncho com flores. Era inverno. A neve recobria os campos. Naquela época, não nasciam flores naquela região do México. Juan Diego sabia disso. Porém, mesmo assim obedeceu. Chegando ao alto do monte em meio à neve, ele achou uma grande quantidade de flores cheias de grande beleza. Ele apanhou muitas flores, encheu seu poncho e foi levá-las ao Bispo.
O Segundo Milagre
Com dificuldade Juan Diego foi recebido pelo Bispo. Ele tinha seu poncho ou sua Tilma, dobrado cheio de rosas. Então, ele abriu a tilma e as flores caíram no chão. Quando o Bispo viu, ainda não acreditou. Então, para espanto de todos os que estavam na sala, no poncho do índio estava estampada a bela imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, como o índio tinha revelado ao Bispo. Todos na sala acreditaram, inclusive o bispo. Desse momento em diante, tudo mudou.
O fato causou grande comoção em todo o povo mexicano. Logo foi construída uma grande Igreja no local indicado por Nossa Senhora e o poncho de Juan Diego com a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe impressa foi levado para ser venerado. Guadalupe se tornou o grande Santuário do México, e a devoção a Nossa Senhora de Guadalupe se estendeu por toda América Latina. Em 1979, o Papa João Paulo II consagrou Nossa Senhora de Guadalupe, como Padroeira da América Latina.
Estudos sobre o poncho
Estudos realizados sobre o poncho do índio Juan Diego, revelam que a pintura não foi feita por materiais existentes na natureza e nem fabricados pelo homem. Nos olhos de Maria, dentro da Iris e da pupila, vê-se a cena em que o índio abre sua tilma na sala do bispo, com todas as pessoas presentes na sala conforme foi descrito em documentos posteriores. Tem uma família de um lado, o índio e o Bispo do outro. O olho reflete a luz como o olho humano.
Em janeiro de 2001, o engenheiro peruano, José Aste Tonsmman, revelou o resultado da pesquisa de 20 anos, com a ajuda da NASA. Os olhos da imagem ampliados 2,500 vezes, mostram umas 13 pessoas, crianças, mulheres, o Bispo e o próprio índio Juan Diego, no momento da entrega do poncho ao Bispo.
( Do site https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-nossa-senhora-guadalupe/45/102/) santos e ícones Católicos
 
 
Dúvidas, críticas ou sugestões?
Nome
 
E-mail
Telefone
 
Mensagem
 
 

Copyright © Diocese de Ponta Grossa 2024. Direitos reservados.
Navegando você está de acordo com a nossa política de privacidade.

Desenvolvido com amor Agência Arcanjo