MATRIZ
PARÓQUIA SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS
Pároco:

Padre Joel Nalepa


Vigário Paroquial:

Padre Mário Dwulatka


Horários de Missa
  • Segunda-feira 19 h
  • Quarta-feira 19 h
  • Quinta-feira 19 h
  • Sexta-feira 19 h
  • Sábado 18 h
  • Domingo 8 h,10h e 18h

Endereço
Rua Nilo Peçanha, 380
Ponta Grossa - Vila Estrela


Contato
(42 30894494/ (42) 99918-3002 (whats)
sta.teresinha@yahoo.com.br
Facebook

Histórico

A Capela

    Em setembro do ano de 1937, o Exmo. Sr. Bispo Diocesano, Dom Antônio Mazzarotto, doou um terreno, onde foi iniciada a construção da Capela Provisória de madeira dedicada à Santa Teresinha, santa de devoção do digníssimo bispo e de sua família.

    Para este trabalho foi organizada uma Comissão, tendo na Presidência o casal Adão e Rosa Dechandt, e formada pelos seguintes membros: Alberto Hansen Junior, Alfredo Schwab, Jovita Becher da Rocha, Leocádia Ramos, Stella Moro, Maria Luiza Machado, Georgina Delfino, Letícia Torres e Aracy Virmond.

    Até o ano de 1942, a assistência religiosa foi prestada pelos Revmos. Padres da Congregação do Verbo Divino .Mas nesta época, o Seminário Diocesano, até então localizado na cidade de Castro, mudou-se para Ponta Grossa, no bairro de Oficinas, e a partir de então, os Revmos Padres Seculares deram continuidade à assistência espiritual da Capela.Passaram por aqui na ocasião : Pe. Pedro Guerra, Pe. Francisco Salache, Pe. Pedro Canisio Feirabend, Pe. Fridolino Beuren, Pe. Francisco Estanislau Soczek e Pe.Carlos Zelesny.

A Igreja Matriz

    O lançamento da pedra fundamental ocorreu no dia 3 de outubro de 1948, pelo Revmo. Pe. Pedro Guerra. No ano de 1954, por ocasião das comemorações da Festa de Santa Teresinha, foi inaugurada a Cripta, construída pelo Revmo. Pe. Carlos Zelesny.

A Paróquia

    Finalmente, devido ao considerável crescimento da população, e para grande alegria da mesma, no dia 28 de abril de 1956, a Igreja foi elevada à categoria de Paróquia, sem nenhuma solenidade oficial.Teve a honra de tomar posse como 1º vigário, o Revmo. Pe. Francisco Salache.

Destaque Especial


Pe. Fridolino Beuren

    Assumiu a Paróquia no ano de 1957, permanecendo à frente da mesma até o ano de 1974.Depois disto ainda residiu na paróquia até 1980, ano do seu falecimento, sendo inclusive enterrado dentro da Matriz.Foram 23 anos dedicados à comunidade de Santa Teresinha.Além de padre, era engenheiro civil, e comandou a construção da belíssima Igreja Matriz, que homenageia a Santa das Rosas.

    A mesma foi inaugurada no dia 15 de outubro de 1961 .E toda vez que formos contar a história desta paróquia, ele merecerá um destaque especial.De pulso firme, oratória impecável e cultura ímpar, ele sem dúvida marcou uma geração que teve o privilégio de com ele conviver, e até hoje é uma referência para todos os paroquianos, inclusive os mais jovens.

Inauguração da Igreja Matriz

Para grande alegria de toda comunidade, a primeira parte da Igreja Matriz de Santa Teresinha foi inaugurada no dia 15 de outubro de 1961.


A Matriz Concluída

    Na década de1970 a nossa tão sonhada Igreja Matriz está totalmente terminada.É uma das mas belas e imponentes Igrejas da Diocese e de todo Estado do Paraná..

Capela Nossa Senhora do Rocio

    No final do ano de 1995, tendo por pároco o Revmo. Pe. Claudemir Nascimento Leal, a Capela Nossa Senhora do Rocio, localizada à Rua Aleixo Garcia, nº 277 – Vila Pinheiro, passou a pertencer à Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus.

As Relíquias de Santa Teresinha "ELA" veio nos visitar

  

 Em novembro do ano de 1998, a visita das Relíquias de Santa Teresinha movimentou toda a Diocese, os meios de comunicação de nossa cidade e as Pastorais da comunidade.Era um sonho se tornando realidade.Nossa amada Santinha de Lisieux, a Padroeira dos Missionários, que em vida não pôde sair da clausura, após sua morte, percorre o mundo levando a mensagem da paz, da simplicidade e do amor.

    Nos dias 08, 09 e 10 de novembro de 1998, mais de 7 mil devotos tiveram a graça de passar pela Igreja Matriz para visitar e tocar a Urna das Relíquias .Nestes três dias, a Igreja ficou aberta 24 horas, com confissões o dia todo, missas celebradas de hora em hora por quase todos os padres da cidade , e uma exposição sobre a Vida de Santa Teresinha.

    Fica registrado aqui o agradecimento de todos os paroquianos ao Pe. Sílvio Breginski, pelo esforço e empenho em proporcionar aos devotos estes momentos inesquecíveis... memoráveis... históricos.

As Celebrações Festivas

    Ao longo destes anos, algumas celebrações foram se tornando tradicionais no Calendário da Paróquia.É o caso das "Coroações de Nossa Senhora", realizadas no mês de maio, e também das Festas de Santa Teresinha, sempre em outubro, com destaque para a "Missa Solene de Benção das Rosas", que atrai devotos de toda cidade e região.


Comunidade / Padroeiro (a) e localidade

01 - Matriz: Santa Teresinha - Oficinas

02 - Nossa Senhora do Rocio - Vila Guaíra


    Hoje, além desta obra, a comunidade conta com 15 pastorais organizadas e em pleno funcionamento, aí compreendidos os movimentos e os ministérios, são eles:

Pastoral Financeira

Pastoral Catequética

Pastoral Litúrgica

Pastoral da Juventude

Pastoral do Batismo

Pastoral da Criança

Pastoral do Dízimo

Pastoral dos Coroinhas

Ministros Extraordinários da Comunhão e da Esperança

Associação Legião de Maria

Movimento das Capelinhas

Apostolado da Oração

Ministério de Canto

Pequenos Grupos

Vicentinos.


Construção da Nova Casa Paroquial

    No ano de 2002 foi iniciada a obra de construção da nova Casa Paroquial e Secretaria da Paróquia.Toda a construção foi feita com recursos fruto de contribuição dos paroquianos, que sempre compareceram aos eventos promovidos pelo CPC, doações espontâneas e principalmente dos "carnês de colaboração."

    

O Revmo.Pe. Evaldo Fidelix e a Comissão de Construção entregaram a obra à comunidade no mês de maio de 2005, a qual, segundo o pároco, trouxe muito mais conforto e funcionalidade tanto à Secretaria quanto à ele, e àqueles que ocuparão o imóvel no futuro.


Párocos

1º. Pároco:  Pe. Francisco Salache  - 1956 até 1957

2º. Pároco:  Pe. Fridolino Beuren  - 1957 até 1974

3º. Pároco:  Pe. Isaías Becher  - 1974 até 1980

4º. Pároco:  Pe. Sérgio Tychanowicz (1980)  - 1980 até 1992

5º. Pároco:  Pe. José Sniegovski (1992)  - 1992 até 1993

6º. Pároco:  Pe. Casemiro Oliszeski  - 1993 até 1994

7º. Pároco:  Pe. Wilson Aurélio Pianario  - 1994 até 1995

8º. Pároco:  Pe. Claudemir Nascimento Leal  - 1995 até 1997

9º. Pároco:  Pe. Sílvio José Breginski  - 1997 até 2001

10º. Pároco:  Pe. Evaldo Fidelix  - 2001 até 2008

11º. Pároco:  Pe. Abrão Becher  - 2008 - 2014

       Pe. Abrão Becher, Vigário Paroquial - 2014 até 2021

12º Pároco: Pe. Joel Nalepa - 2014 até  o presente momento

       Pe Mário Dwulatka, Vigário Paroquial - 2016 até momento


ORAÇÃO

Sede pequeninos e vivei o Evangelho, não tenhais medo.

Entregai-vos sem reservas ao Amor de Jesus Cristo."

( Santa Teresinha do Menino Jesus)

O Padroeiro
O Padroeiro
SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS

Santa Teresinha do Menino Jesus nasceu em Alençon (França), no dia 02 de janeiro de 1873. Morreu no dia 30 de setembro de 1897, com apenas 24 anos e 271 dias. Nascida em uma família de ótimas condições financeiras e temente a Deus, seus pais (Luís e Zélia) tiveram oito filhos antes da caçula, Teresa; quatro morreram com pouca idade, restando em vida as quatro irmãs da santa, que também se tornaram freiras (Maria, Paulina, Leônia e Celina).
Amadurecimento na dor
À primeira vista, parece que Teresinha foi santa desde a sua infância, porém, sua história revela um caminho de amadurecimento à custa de muitos sofrimentos, como por exemplo: A perda de sua mãe quando tinha 4 anos e 8 meses, por conta do câncer; a ida de suas irmãs para o Carmelo; separar-se de seu pai e vê-lo sofrer de problemas psiquiátricos; por fim, a tuberculose e outros problemas de enfermidade nos seus últimos anos de vida. Tudo isso levou essa mulher a oferecer-se em holocausto à Misericórdia Divina, dia após dia de sua vida, com muita simplicidade e pequenez.

“Não quero ser santa pela metade, escolho tudo.”
Nossa Senhora do sorriso
Depois da morte de sua mãe, a menina desenvolveu uma grande sensibilidade. Ela se achava sempre entristecida e abatida, chorava muito. Porém, aos 10 anos, ela fez uma experiência com Nossa Senhora que ficou em sua vida: “No dia 13 de maio de 1883, festa de Pentecostes, do meu leito, virei meu olhar para a imagem de Maria e, de repente, a imagem pareceu-me bonita, tão bonita que nunca tinha visto nada semelhante. Seu rosto exalava uma bondade e ternura inefáveis, mas o que calou fundo em minha alma foi o sorriso encantador da Santíssima Virgem. Todas as minhas penas se foram naquele momento, e lágrimas escorreram de meus olhos, de pura alegria. Pensei, a Santíssima Virgem sorriu para mim, foi por causa das orações que eu tive a graça do sorriso da Rainha do Céu” (História de uma alma).

Do menino Jesus…
Santa Teresinha do Menino Jesus também fez uma profunda experiência com o natal, tendo o menino Jesus como doador de uma “total conversão”, aos seus 13 anos de idade, no ano de 1883. Depois disso, sua vida foi transformada e ela começou a dar grandes passos na vida espiritual. Esse fato foi tão importante a ponto de levá-la a assumir o nome de Teresinha do Menino Jesus.

Entrada no Mosteiro das Carmelitas
Com a autorização do Papa Leão XIII, Santa Teresinha do Menino Jesus pôde entrar no Mosteiro das Carmelitas, em Lisieux, com apenas 15 anos de idade. Ao entrar no Carmelo, dedicou-se a rezar pela conversão das almas e pelos sacerdotes. Porém, trazia em seu coração o grande desejo de ser missionária, queria anunciar o evangelho aos cinco continentes do mundo. Até que descobriu no amor um caminho de perfeição: “no coração da Igreja, serei o amor. Assim, serei tudo, e nada impossibilitará meu sonho de tornar-se realidade” (História de uma alma). Logo após a sua morte, seria colocada como padroeira universal das missões católicas pelo Papa Pio XI.

A infância espiritual
Através do amor, desenvolveu a infância espiritual ou pequena via. Essa consiste na extrema confiança em um Deus que é Pai, o que foi consequência do seu relacionamento com seu pai Luís. Ele levou sua filha a olhar a Deus como um pai bondoso, amoroso e misericordioso. Por isso, Santa Teresinha do Menino Jesus pôde confiar e se lançar sem reservas nos braços d’Aquele que a leva como um elevador através de sua graça. Esse relacionamento filial gerou um transbordar de caridade, generosidade e gratuidade, por parte da santa que desembocou na vivência com suas irmãs religiosas.

Santa Teresinha do Menino Jesus: extrema humildade
Em sua extrema humildade, acreditava que o caminho era ser como criança diante de Deus, assim buscava sempre rebaixar-se na vida fraterna e amar sem reservas. Tudo isso, levou-a a renovar a espiritualidade carmelita de João da Cruz (Doutor do “tudo ou nada”), vendo nessa caridade gratuita o caminho perfeito. “No crepúsculo desta vida aparecerei diante de vós (Deus) com as mãos vazias” (História de uma alma), ou seja, nem apresentar méritos ou obras, simplesmente confiando no amor gratuito de Deus, que é Pai e nos salva (Cf. 1 Jo 4, 17). Essa experiência fez com que o Papa João Paulo II a proclamasse doutora da Igreja, no dia 19 de outubro de 1997.

Páscoa
Em seu leito de morte, com apenas 24 anos, Santa Teresinha do Menino Jesus, disse suas últimas palavras: “Oh!…amo-O. Deus meu,…amo-Vos!”. Após a sua morte, aconteceu a publicação de seus escritos que se tornaram mundialmente reconhecidos. Assim realizou a sua promessa de espalhar uma chuva de rosas, de milagres e de graças de todo o gênero. Sua beatificação aconteceu em 1923; e foi canonizada por Pio XI em 1925, que a chamava de “uma palavra de Deus”.

Oração:
“Meu Deus, ofereço-vos todas as ações que farei hoje, nas intenções e para a glória do Sagrado Coração de Jesus. Quero santificar as batidas do meu coração, meus pensamentos e obras mais simples, unindo-os aos seus méritos infinitos, e reparar minhas faltas, lançando-as na Fornalha de seu Amor Misericordioso. Oh, meu Deus! Peço-vos para mim e para aqueles que me são caros a graça de cumprir perfeitamente vossa santa vontade, de aceitar por vosso amor as alegrias e as penas desta vida passageira, para que estejamos um dia reunidos no Céu, por toda a eternidade. Assim seja.” (Obras completas de Santa Teresinha do Menino Jesus e da Santa Face, Oração 10).

Fonte:https://santo.cancaonova.com/santo/santa-teresinha-do-menino-jesus/

Liturgia das Horas
Martirológio Romano
Vaticannews.va
Vatican.va
Livro: “História de uma alma” – Santa Teresinha
Livro: “De mãos vazias” – Conrado de Meester
– Pesquisa e redação: Rafael Vitto – Comunidade Canção Nova

– Produção e edição: Melody de Paulo


 
 
Dúvidas, críticas ou sugestões?
Nome
 
E-mail
Telefone
 
Mensagem
 
 

Copyright © Diocese de Ponta Grossa 2024. Direitos reservados.
Navegando você está de acordo com a nossa política de privacidade.

Desenvolvido com amor Agência Arcanjo